O QUE É ENDOTELINA?

A endotelina (ET) é um peptídeo que age como mensageiro químico dentro do organismo. Apesar de a endotelina ser encontrada em vários órgãos, ela é produzida pelo endotélio, uma camada de células uniforme como uma lâmina que reveste os vasos sangüíneos. O sistema endotelial tem um peso total de aproximadamente 1,5kg e uma área de superfície que, reunida, equivale a quatro quadras de tênis.

A endotelina foi descoberta em 1988 por Yanagisawa et al1 e foi reconhecida como um dos vasoconstritores mais potentes e de efeitos mais duradouros; sua estrutura foi desvendada por compartilhar similaridades com toxinas de veneno de cobra (veja a figura abaixo).2

A endotelina é essencial para controlar a atividade do vaso sangüíneo e, sob condições normais, seus níveis são baixos. Contudo, em estados patológicos tais como a hipertensão arterial pulmonar (HAP), as doenças do tecido conjuntivo como a esclerodermia, e fibrose do pulmão, os níveis de endotelina elevam-se de forma significativa.3,4,5

Níveis elevados de endotelina podem causar vários efeitos deletérios por meio da ligação com os receptores de endotelina. Existem dois tipos de receptores de endotelina: ETA, que é predominantemente encontrado na camada de músculo liso presente nos vasos sangüíneos, e ETB, localizado na superfície do endotélio. Esses receptores agem como interruptores de luz, e quando ativados pela endotelina, iniciam uma série de efeitos nocivos dentro das células sob condições fisiopatológicas específicas.

EFEITOS INTERMEDIADOS POR RECEPTORES

A ET é liberada das células endoteliais como um peptídeo biologicamente inativo (“Big ET”) e por meio de enzimas conversoras da endotelina (ECE) e quimases é convertida em uma endotelina (ET) completamente ativa, que é quem desenvolve os seus efeitos sobre os dois subtipos de receptores ETA e ETB.6

Endotelina ligada a seus receptores:

Endotelina (ET) formada pelo endotélio, envolvendo os dois receptores de endotelina ETA ETB e desenvolvendo o seu efeito.

Os receptores se encontram tanto na musculatura lisa vascular - neste caso, com densidade especificamente maior nas correntes pulmonar e coronariana7 - quanto no músculo do coração, no endotélio e no córtex da supra-renal. De acordo com a localização dos receptores, a ET intermedia os diversos efeitos deletérios e clinicamente relevantes,8 que influenciam decisivamente a gênese e a progressão da hipertensão arterial pulmonar (HAP) e da insuficiência cardíaca.

Efeitos da endotelina (ET) nos diversos receptores
 

Referências

1.Yanagisawa M. et al. Nature 1998; 332-415.

2. Kloog Y. et al. Science 1988; 242 (4876): 268-270.

3. Kim et al. J Cardiovasc Pharmacol & Therapeut 2002;(1): 9-19.

4. Roux S et al. J Mol Med 1999;77: 364-376.

5. Yamane K. Intern Med 1994;33(10): 579-582.

6. Adaptado de Haynes WG, Webb DJ. J Hypertens 1998;16:1081-1098.

7. Filep JG et al. Life Sci 19 93;52:1 19-133.

8. Adapta do de Teerlink JR . Discov ery International CME symposium, New Orleans, novembro de 2000.